Alcachofra simples

Essa receita é um clássico da minha família. Desde sempre minha mãe fazia e agora sei o porquê. Além de ficar uma delícia, ela é muito fácil de fazer. Aproveite agora que estamos na época de alcachofra e elas estão bem mais baratas.

Ingredientes

  • 1 Alcachofra
  • 5 azeitonas pretas
  • Salsinha a gosto (mas é indicado que seja bastante)
  • 2 dentes de alho picado
  • Sal a gosto

Modo de preparo

Lave e separe as folhas da alcachofra. Tire os caroços e pique em pedaços médios as azeitonas. Misture o alho, a azeitona e a salsinha. Coloque a mistura de temperos entre as folhas, um pouquinho em cada. Acomode a alcachofra em uma panela e regue com 1 copo americano de água salobra. Deixe no fogo por cerca de meia hora, mas preste atenção, se a água secar, adicione um pouco mais, já que ela deve ficar com um candinho.  Sirva com pãozinho quente.

Anúncios

Arroz de marisco

Quem disse que frutos do mar só combina com praia? Essa receita é uma dica para almoços especiais, aqueles que você quer surpreender, mas não pode gastar muito (comprei 500g de marisco por R$ 14) e está com preguiça de ficar horas no fogão. Quem deu a ideia foi minha irmã e o namorado, eles fizeram na casa da minha tia na praia (eu acabei inventando e coloquei mais ingredientes…). Eu fiz em São Paulo, mas, mesmo assim, o prato ficou uma delícia!

Fica bonito e muito gostoso!

Ingredientes

  • 1 latinha de extrato de tomate
  • 500g de marisco sem casca
  • 2 tomates em cubinhos
  • 2 xícaras de arroz
  • 3 colheres de sopa de azeite
  • 1 tablete de caldo de legumes
  • 1 cebola pequena picada
  • 2 dentes de alho amassados
  • Sal, pimenta do reino e cebolinha a gosto

Modo de preparo

Refogue a cebola e o alho no azeite. Quando eles estiverem dourados, adicione os mariscos e o tomate em cubo e cozinhe por cerca de 5 minutos. Adicione o extrato de tomate e e o caldo e cozinhe por mais 5 minutos (mexa sempre). Adicione o arroz, o sal, a pimenta, misture, e por fim coloque 3 xícaras de água. Deixe cozinhar em fogo baixo e sirva com a cebolinha por cima quado a água secar. Fica uma delícia com parmesão ralado.

Mousse de chocolate do Olivier Anquier

Desde que comecei a cozinhar, fiquei viciada em programas de gastronomia. Um dos meus preferido é do chef Olivier Anquier. Ele tem um restaurante em São Paulo, o bistrô L’ Entrecote d’ Olivier, que nunca consegui entrar porque sempre está com uma fila gigantesca. Mas, para compensar, peguei a receita da mousse de chocolate que ele serve no restaurante. Fica uma delícia! Agora só preciso ir ao bistrô confermar se o dele fica melhor.

  • 250g de Chocolate
  • 200g de manteiga
  • 5 claras de ovos
  • 5 gemas de ovo
  • 100g de açucar uma gota de baunilha (opcional)

Modo de preparo

No banho maria, derreta o chocolate e a manteiga enquanto se bate na batedeira as gemas de ovos com áçucar até ficar branco. Quando a manteiga e o chocolate estiverem bem misturados, despeje nas gemas sem parar a batedeira. Deixe bater as claras de ovo em neve até que fiquem bem sólidas. Misture em uma vasilha grande com uma colher de pau a clara na mistura de chocolate com as gemas. Despeje em uma saladeira grande ou em vários potinhos individuais e deixe na geladeira sem colocar filme plastico. Serva bem gelado no minimo 2 horas depois de ter preparado.

A minha carne moída

Quem disse que comida do dia-a-dia tem que ser sem graça? Acho que o grande truque para preparar qualquer prato, seja uma lagosta ou um feijão, é o tempero que você usa. Essa carne moída é um exemplo disso. Fui vendo o que eu tinha de tempero que achava que iria combinar e, no final, o resultado ficou uma delícia. Servi com purê de batata, acompanhamento que foi ideal para o prato.

Fica uma delícia com purê de batata

Ingredientes

  • 300g de patinho moído
  • 1/2 talo de alho poró cortado e rodelas bem fininhas
  • 2 colheres cheias e sopa e azeitona preta em rodelas
  • 1 colher de sopa de chimichurri no azeite
  • 1/2 cebola picada
  • 4 colheres de sopa de azeite
  • 2 colheres de sopa de molho inglês
  • Sal e pimenta do reino à gosto

Modo de preparo

Refogue a cebola no azeite, quando ela começar a amolecer, adicione o chimichurri e o alho poró. Cozinhe até o alho poró amolecer e adicione a carne. Quando ela começar a soltar água, coloque a azeitona e o molho inglês. Sirva depois que a água secar por inteiro.

Saladinha de pepino

Inventei essa receita um vez que abri a geladeira e tinha um pepino para estragar. Como já estava cansada daquela salada tradicional, comecei a pensar em ingredientes que iriam bem. É uma dica ótima para dias mais abafados e é muito saudável.

Fica bonita, né?

Ingredientes

  • 1 pepino
  • Suco de um limão
  • 1 colher de gergelim torrado
  • 1/2 cebola roxa cortada em fatias bem finas
  • 1 colher de sopa de azeite
  • Sal a gosto

Modo de preparo

Corte com a casca o pepino em rodelas bem finas (se preferir pode usar o ralador). Mistures todos os ingredientes e sirva.

Cuscuz Marroquino com legumes

Existem algumas receitas e ingredientes que são curingas na cozinha. Entre elas está o arroz e o cuscuz marroquino. Preparados de uma maneira básica, eles podem acompanhar uma carne ou uma ave, ou, se incrementados, pode se transformar no prato principal. Em casa toda refeição tem arroz, independente de como é feito, por isso um dia resolvi inovar e tentar o cuzcus marroquino.

É uma opção leve e gostosa!

Ingredientes

  • ½ abobrinha
  • ½ berinjela
  • ½ cebola picada
  • 1 colher de sopa de azeite
  • Amêndoas torradas
  • 1 xícara de chá de cuscuz marroquino
  • 700ml de caldo de legumes

 

Modo de preparo

Doure no azeite a cebola, quando ela estiver cheirosa, refogue a abobrinha e a berinjela. Espere até que elas amoleçam e adicione o cuscuz. Misture por cerca de 3 minutos, adicione o caldo e mexa. Tampe e deixe até que a água seja absorvida. Adicione as amêndoas e sirva.

Cozinha tradicional – Z-Deli

Tem quem diga que ser judeu não tem graça, já que muitas delicias estão fora do cardápio dos mais religiosos. Eu e minha família não somos kosher, mas, depois que você conhece a culinária judaica, pensa duas vezes antes de achar o cardápio sem graça. Uma dica para quem tem curiosidade de experimentar pratos típicos e sentir o clima de uma idishe mame é o Z-Deli.

Com clima de casa de vó, ele segue as influências de sua fundadora dona Lonka, que morreu ano passado. Ela era uma das donas junto com as amigas Rosa e Zenaide Raw. Lá, as duas conversam com os clientes e dão dicas das melhores pedidas, os pratos são sensacionais! Fui almoçar com minha mãe e foi difícil escolher o que iríamos comer diante de tantas opções.

O restaurante funciona como self-service onde você pode escolher e se servir só das comidas frias, só das quentes ou das duas. Optamos pelas duas, mas depois de ver as opções chegamos a conclusão que só com as frias já estava ótimo.

As receitas misturam influencias da cozinha árabe e européia e no meu prato coloquei de coalhada seca com limão, patê de fígado de galinha com ovo, pepino ao molho de iogurte e dill, gefilte fish (bolinho de peixe com raiz-forte), abobrinha empanada e outras delícias. Lógico que não me aguentei e dei uma olhada nas opções quentes também. Fiquei com muita vontade de provar a vareniques (espécie de ravióli com recheio de batata) e as quiches. Para fechar, eu e minha mãe avistamos uma cheese cake com frutas vermelhas. Sem exageros? Não tenho dúvidas que foi a melhor que já provei.

Os famosos Gefilte Fish

Serviço:

Onde: Al. Gabriel Monteiro da Silva, 1.350 – Jardim América – Oeste. Telefone: 3064-3058..

Quando: segunda a sexta: 9h às 18h
sábado: 9h às 16h

Site: http://zdeli.blogspot.com/

Marcelino Pan y Vino

A dica foi da minha amiga Nana Tucci. Ela comentou de um restaurante que tinha aberto na Vila e era ideal para combinarmos um encontro entre as meninas. Acatamos a ideia e hoje o Marcelino Pan y Vino é um dos meus restaurante preferidos. Motivos não faltam. Dos mesmos donos do Lola Bistrô, também na Vila Madalena, ele é uma mistura entre restaurante e bar. Tem mesas de restaurante e balcão de bar. À noite tem clima de bar com diversas opções de drinks e cara de restaurante com pratos deliciosos no almoço.

 

Esse é o ambiente da varanda

O ambiente já conquista por ser moderno e confortável ao mesmo tempo. Instalado na esquina Girassol com a Wisard, grande parte das mesas estão localizadas em uma grande varanda com sofás e cadeiras confortáveis. E, para quem não gosta de sentar do lado externo por causa do frio, não se preocupe, já que a casa também disponibiliza cobertores nos dias mais gelados.

Outro ponto positivo é o atendimento. Hoje fui comemorar meus aniversário de casamento em um almoço e decidimos almoçar sentados nas cadeiras do bar. Tanto os garçons, quanto os bartenders deixam o clima ainda mais agradável e sensação de estar em casa.

A comida merece um capítulo a parte. As duas vezes que fui fiquei uns vinte minutos pensando se investia nas tapas e entradas, se escolhia um hambúrguer ou um dos pratos. Com minhas amigas, decidimos pelas batatas bravas com azeite de ervas e, como prato principal, optei pela polenta preparada com azeite trufado, cogumelos de paris e ovo mole. Hoje escolhemos um menu mais gordinho. A entrada foi uma polenta frita em cubos com linguiça calabresa e geleia de pimenta e mini vinagrete para acompanhar. E, como prato principal, nós dois pedimos um hambúrguer. Um deles acompanhado de molho barbecue e maionese com raiz forte e o outro (nosso preferido) um hambúrguer de fraldinha com cogumelos de paris, cebola caramelizada e cheddar. Os sanduíches contam com hamburguers altos e rosados, no ponto ideal.

Na lista dos pratos que ainda queremos pedir está o Durum de pernil de cordeiro, a massa com molho emmental, os cachorros

A tabua de tapas que ainda quero experimentar

quentes preparados com salsichas alemãs e a tábua de tapas, que todos os dias conta com novidades diferentes.

Preciso dizer mais alguma coisa para explicar o motivo para o Marcelino ter ganhado tantos pontos? É só bom lembrar que das duas vezes que fui peguei fila, portanto, ou chegue cedo ou esteja disposto a tomar um drink no bar.

 

Serviço

R. Girassol, 451, Vila Madalena, São Paulo, SP

Telefone: 3034-0461

Ter. a qui. 12h/0h; sex. e sáb. 12h/1h; dom. 12h/23h

Site: www.marcelinopanyvino.com.br

Bife a rolê

Sabe aqueles pratos tradicionais que sua mãe sempre fez e que você imagina que deve ser a coisa mais difícil do mundo? Então, esse era o caso do bife a rolê. Na minha casa costumávamos comer com polenta e era um dos meus partos preferidos. Um dia, passeando pelo mercado, vi os bifinhos já enrolados, prontos para fazer esse tipo de prato. Tomei coragem e peguei uma receita do Panelinha. Para acompanhar a tradicional polenta. Desculpa, mãe, mas ficou ainda melhor do que o que eu comia em casa.

Ah, para fazer esse prato, você terá que usar a panela de pressão, caso tenha dúvidas clique aqui que eu ensino!

 

Receita tradicional que não pode faltar na cozinha

Ingredientes

1 kg de coxão mole cortado em bifes
1/2 cenoura
1 talo de salsão
1/2 nabo
3 colheres (sopa) de óleo de canola
1 colher (sopa) de bacon
1/2 colher (chá) de canela em pó
1 colher (chá) de pimenta-síria em pó
1 cebola picada
3 dentes de alho picados
1/2 xícara (chá) de extrato de tomate
1 l de caldo de carne (se for usar cubo, dissolva apenas 1)
2 colheres (sopa) de maisena
2 colheres (sopa) de salsinha picada
2 colheres (sopa) de cebolinha cortada
palitos de dente para fechar os bifes

Modo de Preparo

Descasque a cenoura e o salsão. Corte os legumes em palitos finos de 6 cm de comprimento. Tempere os bifes com um pouquinho de sal. Abra-o e coloque 1 palito de cada legume numa extremidade, enrole e prenda a outra extremidade com 2 palitinhos de dente. Repita o procedimento com o restante dos bifes e dos legumes.
Leve uma panela de pressão com o óleo ao fogo alto. Quando esquentar, coloque o bacon e deixe dourar por 3 minutos. Acrescente a canela (o segredinho da Rita Lobo!), a pimenta-síria e os bifes enroladinhos. Deixe dourar por 5 minutos, mexendo com cuidado para que a carne não desenrole.
Junte a cebola e o alho e refogue por mais 5 minutos. Adicione o caldo de carne e o extrato de tomate. Tampe a panela e deixe cozinhar na pressão por 30 minutos. Desligue o fogo e deixe a panela esfriar.
Quando sair toda a pressão, abra a panela e retire uma concha do caldo da carne. Numa tigelinha, misture o caldo com a maisena até dissolvê-la. Volte o caldo com a maisena à panela e misture bem. Leve ao fogo médio e, quando ferver, deixe cozinhar por mais 15 minutos, mexendo de vez em quando. Na hora de servir, junte as ervas, misture bem e transfira para uma travessa funda.

Pudim de leite

Como já disse em outros posts, pra mim doce sempre foi um mistério, mas uma mistério fabuloso. Até hoje fico maravilhada ao ver uma clara virando clara em neve só de bate-la por alguns minutos, ou assistir um bolo crescendo com a ação do fermento.

Na minha lista de doces misteriosos estava o pudim de leite. Um dos meus doces favoritos, sempre que via um desses ficava imaginando qual seria o grande segredo que estava por trás da receita. Foi então que tomei coragem e decidi descobrir. Na minha pesquisa pela melhor receita descobri que tem dois tipos de pudim: os furadinhos e aquele que fica bem lisinho. Optei pela primeira opção.

A receita é bem fácil, o difícil mesmo foi esperar o tanto de horas que ele precisa ficar na geladeira até ficar no ponto. A curiosidade para saber se eu tinha acertado era tanta que de tempos em tempos eu ia até espiar para ver como estava o misterioso doce!

No final ele ficou bem gostoso!

Não coloquei muita calda em cima, já que prefiro sentir o gostinho do leite

Ingredientes

Calda

  • 1 xícara (chá) de açúcar

Pudim

  • 1 lata de leite condensado
  • 2 medidas (lata) de leite integral
  • 3 ovos

Modo de Preparo

Calda:

Em uma panela de fundo largo, derreta o açúcar até ficar dourado. Junte meia xícara (chá) de água quente e mexa com uma colher de cabo longo. Deixe ferver até dissolver os torrões de açúcar e a calda engrossar. Forre com a calda uma forma com furo central (19 cm de diâmetro) e reserve.

Pudim:

Em um liquidificador, bata os ingredientes e despeje na fôrma reservada. Cubra com papel-alumínio e leve ao forno médio (180°C), em banho-maria, por cerca de 1 hora e 30 minutos. Depois de frio, leve para gelar por cerca de 6 horas. Desenforme e sirva a seguir.

Obs – receita tirada do site da Leite Moça